quarta-feira, 21 de outubro de 2009

[IN]constante


Um caminhar, na inconsistência do teu ser
faz de mim adarílho...
Ser vivente
que na escuridão ou luz, te encontrou novamente.
Perdida eras entre as horas, entre os seres,
[entre o nada...
um olhar...E tua fronte,
marcada pela essência de um passado.
[Triste]
Pobre de amor, rico em esperança.
Sentido apenas quando a mão afagava o rosto
cansado.
E, no entretanto, viu no ínfimo destino um corpo...
um ser vivente, pensante, amante...
Que outrora te fez juras de um sentimento e, na outra
te arranca a gota de alegria que te fazia viver.
Entre os olhos, um sorriso
...doce.
Que me liberta das prisões do mundo...
Que me guia nas veredas sombrias do meu ser...

foto: Maria negreiros
fonte: olhares.com